20/09/2009

Tempos Mortos

Se neste preciso momento me perguntassem o que mais odeio, julgo que responderia "tempo morto". Porquê? Essa pergunta até me faz rir. Talvez porque é óbvia, pelo menos para mim, ou até porque está subentendida a resposta.
Respondo então da seguinte forma:
"Porque, dadas as circunstâncias, não me posso dar ao luxo de ficar parada a pensar naquilo que me foi tirado após eu me ter agarrado a tal, aquilo que apesar de ainda não me ter fugido, ou talvez até tenha, já não me pertencer, nem um mísero pedaço. Bem sei que nunca me pertenceu, mas a sensação de segurança que senti pela primeira vez na vida soube-me demasiado bem, e por mais que me custe aceitar a realidade, por mais que me custe abdicar de tal, sei que é improvável que dure tempo suficiente para me fartar. Não quero pensar nisso, logo, tendo a ocupar a minha mente e corpo com algo mais com que se preocupar."

1 comentário:

mariana disse...

Está muito muito bom catarina, com o passar dos anos cada vez expressas-te melhor, mas clara e profundamente, e é quando escreves que deixas cair o manto de indiferença que eu sei que usas para manter certas pessoas por perto e outras longe.
Tu não és indiferente nem de pedra. Es emocional, e qualqer coisa derrete te. E eu entendo te, perfeitamente. E sei qe este ano tudo o q não vais ter são tempos mortos, porque tens força de vontade e uma alegria que só te pertence a ti, e que pouca gente te reconhece.
Sabe minha querida, estou sempre aqui para ti. ^^
Adoro os teus raros defeitos, Admiro as tuas infinitas qualidades <3